Seja bem-vindo! PRESTIGIE NOSSOS ANUNCIANTES. CONHEÇA OS PRODUTOS E SERVIÇOS OFERECIDOS!

quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Como evitar as lesões mais comuns em atletas, corredores, esportistas e quem faz caminhadas

Como evitar as lesões mais comuns em atletas, corredores, esportistas e quem faz caminhadas




Especialista dá dicas de como identificar as patologias e preveni-las



Correr exige muito do corpo! A cada passada, as pernas chegam a suportar mais que o dobro do peso corporal.
Esse impacto constante pode acabar sobrecarregando a musculatura e as articulações, acarretando lesões. Grande parte desses “ferimentos” é gerado pelo aumento abusivo na intensidade dos treinos.
Para se jogar nas pistas com segurança, o ortopedista e traumatologista Lucas Fonseca dá dicas sobre quais são as lesões mais comuns em corredores, como identificá-las e preveni-las:

Síndrome patelo-femural

Apelidada de joelho de corredor, essa lesão se dá entre a patela e o fêmur, ao redor da rótula. “Esta patologia tem como causa básica o desbalanço entre a musculatura frontal (quadríceps) e traseira (isquiotibiais) da coxa”, explica o ortopedista.
Sintomas: desconforto ao subir e descer escadas, e incômodo na região frontal do joelho.
Prevenção: fazer o fortalecimento muscular da região. Apostar em exercícios de musculação focados em membros inferiores. “É essencial trabalhar o quadríceps, com ênfase especial no vasto medial, e a musculatura adutora da coxa”, aconselha Lucas.
Sugestão de exercícios: cadeira extensora, leg-press, cadeira adutora e isometria com caneleiras.

Como evitar as lesões mais comuns em atletas, corredores, esportistas e quem faz caminhadas
Como evitar as lesões mais comuns em atletas, corredores, esportistas e quem faz caminhadas

Estresse da banda íleo-tibial

“A musculatura íleo-tibial nada mais é do que os músculos laterais da coxa”, simplifica o traumatologista. O estresse é referente ao atrito da musculatura com a lateral dos joelhos.
Lucas ainda acrescenta que há uma aumento de atrito quando os músculos estão fracos ou contraturados.
Sintomas: desconforto no momento de flexão dos joelhos.
Prevenção: alongamento da musculatura lateral da coxa. “Exercícios de flexão lateral do tronco, com os joelhos estendidos, são essenciais para tal fim”, completa.
Sugestão de exercícios: cadeira abdutora, abdução do membro inferior com caneleira no solo e extensão de quadris para musculatura glútea.

Tendinite do calcâneo

É a inflamação do tendão de aquiles, responsável pela propulsão da marcha. O ortopedista revela que é um dos tendões mais fortes do corpo. A causa mais comum é a carga excessiva de treinos ou o aumento da frequência/intensidade das corridas.
“Em última instância, a tendinite grave do tendão calcâneo pode evoluir para rotura espontânea e incapacidade total para a corrida”, alerta.
Sintomas: dor aguda no tendão.
Prevenção: prática constante do alongamento de panturrilhas antes e após as corridas.
Sugestão de exercícios: “Exercícios de fortalecimento excêntrico do tendão é o carro chefe do tratamento”, acrescenta Lucas.

Como evitar as lesões mais comuns em atletas, corredores, esportistas e quem faz caminhadas
Como evitar as lesões mais comuns em atletas, corredores, esportistas e quem faz caminhadas

Síndrome da tensão tibial medial

Também conhecida como canelite, essa síndrome é causada pela inflamação do tecido que reveste o osso na porção da canela próxima ao tornozelo.
“A causa é discutível, mas acredita-se que a tração exercida repetidamente pelos tendões flexores, que ali se inserem, ocasiona uma lesão por sobrecarga”, revela o traumatologista.
Sintomas: dor e desconforto na região da canela durante a execução da corrida.
Prevenção: usar calçado s adequados que absorvam o impacto e sejam indicados para o tipo de pisada da pessoa. Lucas também aconselha buscar ajuda profissional para realizar exames de imagem.
Sugestão de exercícios: alongamento de panturrilhas (flexores) e fortalecimento da musculatura frontal da canela são fundamentais durante e após a diminuição dos treinos.

Fratura por estresse

“Este tipo de lesão ocorre normalmente nos membros inferiores, principalmente na tíbia e nos ossos do pé. A fratura por estresse se estabelece quando a relação sobrecarga/produção de matriz óssea torna-se positiva”, esclarece o ortopedista. O tecido ósseo é consumido e microfraturas se formam.
Sintomas: dores nas pernas e, em alguns casos, edema na região afetada.
Prevenção: Lucas destaca que é importante investigar a causa e corrigir os erros no treino. Reduzir o volume de exercícios também ajuda.
Alerta: Segundo o traumatologista, lesões mais graves exigem repouso do atleta por cerca de 6 semanas e até procedimento cirúrgico.

Fascite Plantar (esporão calcâneo)

Se dá pela inflamação do tecido denso e pouco elástico que recobre a planta do pé desde o calcanhar até os dedos. Lucas cita como as principais causas o encurtamento da fáscia, consequente da falta de alongamento da panturrilha, o grande impacto da corrida, e os erros de pisada, principalmente a pronada.
Sintomas: dor no calcanhar.
Prevenção: alongamento do conjunto da panturrilha com a fáscia.
Sugestão de exercícios: contração e extensão da panturrilha – pé estendido e levantado



                                                                                                     

Nenhum comentário:

Postar um comentário